quinta-feira, 21 de junho de 2007

Estará a mídia comprometida sempre?

Um breve estudo sobre o comportamento da chamada mídia brasileira poderia apontar um resultado também superficial e breve: sim, ela está comprometida, através de seus diversos veículos. Os grupos poderosos da mídia estão divididos e enfrentam uma poderosa máquina estatal, aquela que possui verbas e recursos para patrocinar qualquer tipo de acontecimento, evento ou projeto.
Então, estamos caminhando para uma encruzilhada: ou aceitamos o avanço das forças estatizantes dos meios de comunicação, vide emissoras e rádios oficiais, recebendo apenas as informações que interessam aos eventuais executivos do Estado; ou passamos a confiar no que os diversos segmentos da iniciativa privada nos comunicam através de seus veículos.
De uma coisa podemos estar certos: nenhuma das duas forças sobrevive sem contar com mútua parceria. Para os governos atingirem as populações, terão que usar os chamados veículos abertos; e para os veículos privados continuarem atuando e melhorando deverão contar com algum subsídio ou algum anúncio, mesmo que publicitário, dos órgãos e das empresas estatais.
Hoje, como ontem, quem está na iniciativa privada quer ter algum poder na iniciativa oficial; e quem está no poder quer ter alguma influência na ressonância que lhe pode oferecer a mídia privada.
E, amigos, entenda-se o rumo que a comunicação deve ter, ou poderia ter, neste início do século 21.

Um comentário:

Maria disse...

Você diz isso olhando o Brasil de fora.Imparcial e desapaixonado.Baseado no muito que já viveu, viu e participou. O solo neutro onde está lhe dá mais autoridade de afirmação.Pois eu lhe respondo de um micro universo igualmente comprometido, e que testemunha fielmente sua colocação. Estou em Cascavel, meu caro. Que vc tão bem conhece. Continua a terra de ninguém. Público e privado, de braços dados festejam e a mídia de ambos faz a crônica glamurosa e saborosa que os cidadãos sorvem como natural!